Alimentação na doença de Parkinson com exercícios e dieta

Fazer o melhor para se manter saudável e forte é a chave para todas as pessoas com doença de Parkinson.

A pesquisa mostrou que seguir certas modificações no estilo de vida pode ajudá-lo a atingir dois objetivos importantes:

  • Melhor controle dos sintomas.
  • Progressão lenta da condição.
  • Modificações na dieta e foco no exercício podem:
  • Mantenha você mais saudável por mais tempo.
  • Ajuda a evitar sintomas secundários do Parkinson, como constipação.
  • Melhore a mobilidade e o equilíbrio.
  • Melhore sua qualidade de vida geral.

O papel da dieta

Seguir uma dieta balanceada melhora o bem-estar geral e aumenta sua capacidade de lidar com os sintomas da doença. Comer muitos alimentos integrais, como frutas e vegetais, proteína magra, feijão e legumes e grãos inteiros, e manter-se hidratado são maneiras essenciais de se manter energizado e saudável em geral. Dito isso, você deve estar ciente de algumas considerações especiais.

Constipação

Muitos pacientes com doença de Parkinson apresentam constipação devido a uma desaceleração do sistema digestivo. Na melhor das hipóteses, a constipação é um incômodo, mas na pior, seu intestino grosso pode ficar afetado. Combata a constipação com uma dieta rica em fibras de fontes como frutas e vegetais frescos, grãos inteiros, vegetais, legumes e pães e cereais integrais. Beber muito líquido e fazer exercícios também pode ajudar a evitar a constipação.

Desidratação

Medicamentos que tratam a doença de Parkinson podem ressecar você. A desidratação pode não apenas deixá-lo mais cansado com o tempo, mas também pode causar confusão, problemas de equilíbrio, fraqueza e problemas renais. Certifique-se de beber bastante água e outros líquidos ao longo do dia.

Interação medicamentosa

O medicamento mais comumente usado para tratar a doença de Parkinson, carbidopa-levodopa, é absorvido pelo intestino delgado. Essa absorção pode ser interrompida se você tomar o medicamento logo após uma refeição rica em proteínas, uma vez que envolve o mesmo processo. Para ajudar a maximizar os efeitos da medicação, coma alimentos ricos em proteínas em outras horas do dia. Se você tomar seu remédio pela manhã, coma aveia em vez de ovos ricos em proteínas no café da manhã e guarde a ingestão de proteínas para o final do dia.

O papel do exercício

O exercício pode ter o maior impacto no curso da sua doença, diz Denise Padilla-Davidson, fisioterapeuta da Johns Hopkins que trabalha com pacientes com doença de Parkinson. “Os movimentos, especialmente os exercícios que estimulam o equilíbrio e os padrões recíprocos [movimentos que exigem coordenação dos dois lados do corpo], podem na verdade retardar a progressão da doença”, diz ela. Aqui está o que você precisa saber:

Faça seu coração acelerar

Muitos sintomas da doença de Parkinson que limitam a capacidade física, como dificuldade de andar, problemas de equilíbrio e força, força de preensão e coordenação motora, apresentam melhora com exercícios cardiovasculares regulares. Por exemplo, uma revisão de estudos sobre treinamento em esteira descobriu que exercícios regulares de caminhada ajudaram a aumentar a velocidade normal de caminhada e a alongar o comprimento da passada, que tende a diminuir com a doença de Parkinson.

Mova-o ou perca-o

Conforme os sintomas motores da doença de Parkinson, como lentidão ou tremor, tornam-se aparentes, os pacientes podem ficar com medo de perder o equilíbrio e cair ou deixar cair coisas, o que leva a cautela e medo excessivos, o que por sua vez leva a uma estilo de vida ainda mais sedentário. Os especialistas sabem que o exercício formal ajuda a manter os pacientes ativos e saudáveis, e as pesquisas também mostram que a atividade física normal pode ser tão ou mais importante do que idas à academia. Manter-se atualizado com as atividades diárias de rotina, como lavar louça, dobrar roupas, cuidar do jardim, fazer compras – qualquer coisa que o mantenha e o mantenha em pé – ajuda a retardar a degeneração dos sintomas motores.

Exercite seu cérebro

Os exercícios – mais uma vez, qualquer coisa que faça seu coração acelerar – pode ajudar o cérebro a manter a neuroplasticidade, que é a capacidade de manter conexões antigas e formar novas entre os neurônios do cérebro. “A neuroplasticidade criada a partir do exercício em pacientes com doença de Parkinson pode realmente superar os efeitos da neurodegeneração”, diz Padilla-Davidson.